sexta-feira, 15 de agosto de 2008

O TIBETE E A DITADURA CHINESA

Em 1950, um ano após tomarem o poder, os chineses comunistas submeteram o TIBETE à força das armas e da ideologia. Nove anos depois, em 1959, os tibetanos se revoltaram, mas a repressão contra esta sua revolta foi brutal e milhares de pessoas morreram. Seguido por 100 mil tibetanos, o DALAI LAMA teve que ir para a Índia, onde constituiu um governo no exílio. Já em 1960, a Comissão Internacional de Juristas denunciava, em extenso inquérito sobre violações dos direitos humanos no TIBETE, a existência de um "genocídio com a intenção de extirpar a religião": prisões arbitrárias, torturas, execuções, casamentos obrigados, cópulas forçadas e públicas entre monges e freiras, estupros, separações de pais e filhos para afastá-los da religião, invasões de domicílios e julgamentos sem direito de defesa. A Assembléia da ONU adotou resoluções condenando o desrespeito aos direitos fundamentais da pessoa humana no TIBETE. Durante a Revolução Cultural da China (1966-1976), lançada por Mao Tse-tung, quase todos os seis mil mosteiros e templos budistas do TIBETE foram depredados e destruídos, dos quais apenas doze restaram. A crônica destes anos, estabelecida através dos depoimentos de tibetanos que sobreviveram à travessia dos Himalaias em sua fuga para a Índia, é de violência brutal. Estima-se hoje que 1,2 milhões de tibetanos (um quinto da população do TIBETE) perderam a vida em conseqüência de torturas, execuções, repressão a manifestações, inanição ou suicídio.
*
Colaborações: VIVI, LILITA e LUCÍLIA
Imagem: Encontrada no site... http://daliedaqui.blogspot.com/2007/09/vistas-sobre-o-tibete.html

Fonte: http://www.tibetepodesersalvo.org/Tibete_pode_ser_salvo.html

Nenhum comentário: