segunda-feira, 28 de julho de 2008

PAPEL RECICLÁVEL x PAPEL NÃO-RECICLÁVEL

Para fazer papel RECICLADO é preciso que se tenha papel RECICLÁVEL. Para aumentar o volume de papel RECICLÁVEL, é preciso que o consumidor saiba a diferença entre papel RECICLÁVEL e papel NÃO-RECICLÁVEL no momento de SAPARAR O LIXO. Nem todo papel USADO, ou PÓS-CONSUMO, é RECICLÁVEL. Ao descartar os papéis usados, a separação para o LIXO RECICLÁVEL deve ser assim:
Papel Reciclável - caixas de papelão, jornais, revistas, rascunhos, papel de fax, embalagens de papelão e embalagens longa-vida.
Papel Não-Reciclável - papel sanitário, papel carbono, fitas adesivas, etiquetas adesivas e fotografias.
papel reciclável x papel não-reciclável
Comentário deste blog - Caberia aqui perguntar se: os papéis plastificados são ou não são recicláveis? Exemplo: a própria embalagem das resmas do papel offset reciclado. Se você souber, avise-nos.
*
Imagem: Encontrada no site da Prefeitura Municipal de Guarapuava (PR)... http://www.guarapuava.pr.gov.br/noticia.php?idnoticia=3420
Fonte: http://www.suzano.com.br/reciclato/home/processo_reciclagem.cfm

domingo, 27 de julho de 2008

ÁTILA, Um dos Melhores Amigos do THURAN

ÁTILA e THURAN se adoram. Mas THURAN foi trabalhar na capital, e deixou ÁTILA com sua mãe, DONA MARIA JOSÉ. ÁTILA e DONA MARIA JOSÉ também se adoram. E, quando THURAN volta para a casa da mãe, é aquela festa! ÁTILA é muito emotivo e expressa seus sentimentos por qualquer motivo ligado ao THURAN ou à DONA MARIA JOSÉ. Seja uma longa estada na capital, seja uma simples ida à padaria para comprar pão, ÁTILA faz o mesmo escândalo e late sem parar para dizer que quase morre de saudades dos dois !!!
*
Imagem: por THURAN, 2007.

sábado, 26 de julho de 2008

TRABALHO ESCRAVO NO BRASIL - Diga não!

ABAIXO-ASSINADO PELA APROVAÇÃO DA PEC DO TRABALHO ESCRAVO NO BRASIL - O Congresso Nacional tem a oportunidade de promover a Segunda Abolição da Escravidão no Brasil. Para isso, é necessário confiscar a terra dos que utilizam trabalho escravo. A expropriação das terras onde for flagrada mão-de-obra escrava é medida justa e necessária e um dos principais meios para eliminar a impunidade.
A Constituição do Brasil afirma que toda propriedade rural deve cumprir função social. Portanto, não pode ser utilizada como instrumento de opressão ou submissão de qualquer pessoa. Porém, o que se vê pelo país, principalmente nas regiões de fronteira agrícola, são casos de fazendeiros que, em suas terras, reduzem trabalhadores à condição de escravos - crime previsto no artigo 149 do Código Penal. Desde 1995, mais de 28 mil pessoas foram libertadas dessas condições pelo governo federal.
Privação de liberdade e usurpação da dignidade humana caracterizam a escravidão contemporânea. O escravagista é aquele que rouba a dignidade e a liberdade de pessoas. Escravidão é violação dos direitos humanos e deve ser tratada como tal. Se um proprietário de terra a utiliza como instrumento de opressão, deve perdê-la, sem direito a indenização.
Por isso, nós, abaixo-assinados, exigimos a aprovação imediata da Proposta de Emenda Constitucional 438/2001, que prevê o confisco das terras onde trabalho escravo foi encontrado e as destina à reforma agrária. A proposta passou pelo Senado Federal, em 2003, e foi aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados em 2004. Desde então, está parada, aguardando votação. É hora de abolir de vez essa vergonha. Neste ano em que a Lei Áurea faz 120 anos, os senhores congressistas podem tornar-se parte da história, garantindo dignidade ao trabalhador brasileiro.
PELA APROVAÇÃO IMEDIATA DA PEC 438/2001 !!!
CLIQUE AQUI E FAÇA SUA ADESÃO AO ABAIXO-ASSINADO PELA APROVAÇÃO DA PEC DO TRABALHO ESCRAVO !!!
*
Imagem: Mãos de mulher trabalhadora na indústria agrícola do etanol. Encontrada no blog... http://acertodecontas.blog.br/clipagem/praticas-ambientais-e-trabalhistas-condenaveis-maculam-a-industria-de-etanol-do-brasil
Fonte: FUNDACENTRO - Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho.

sexta-feira, 25 de julho de 2008

PELO FIM DA ESCRAVIDÃO ANIMAL - Tom Regan

"Os animais não existem em função do homem, eles possuem uma existência e um valor próprios. Uma moral que não incorpore esta verdade é vazia. Um sistema jurídico que a exclua é cego."
*
Por: Tom Regan (70 anos), filósofo norte-americano.
*
Imagem: Encontrada no site...
http://www.mothercow.org/oxen/animal-rights.html
Fonte: FALA - Frente Abolicionista pela Defesa dos Direitos Animais
http://www.petitiononline.com/plcircos/petition-sign.html

quinta-feira, 24 de julho de 2008

CIRCO LEGAL NÃO TEM ANIMAL - Ainda dá Tempo de Assinar a Petição !!!

PETIÇÃO: PELA ABOLIÇÃO DO USO DE ANIMAIS EM CIRCOS
ASSINE JÁ, VC TAMBÉM !!!
Ainda dá tempo !!! Temos até 21 de agosto de 2008, dia em que vai acontecer a audiência pública que definirá no Congresso Nacional, o fim ou não do uso de animais em circos no Brasil. Para discutir a questão estarão presentes cidadãos brasileiros e organizações de proteção animal, nacionais e internacionais, de um lado, e empresários que obtêm lucro com circos de animais, de outro.
*
Imagem: Elefante deprimido no circo, imobilizado por correntes o dia inteiro. Encontrada no site... http://www.pelosanimais.org.pt/recursos/imagens/circo?img=9

terça-feira, 22 de julho de 2008

CIRCO LEGAL NÃO TEM ANIMAL - Petição para o Congresso Nacional do Brasil

Petição: PELA ABOLIÇÃO DO USO DE ANIMAIS EM CIRCOS
http://www.petitiononline.com/plcircos/petition-sign.html?

Para: Congresso Nacional
On line desde: 23/06/2008
Criação: FALA - Frente Abolicionista pela Defesa dos Direitos Animais
Email: frenteabolicionista@gmail.com

NÓS, ABAIXO-ASSINADOS, apoiamos a ABOLIÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS DE QUALQUER ESPÉCIE EM APRESENTAÇÃO DE CIRCOS, tendo-se em vista a incontestável ocorrência de danos e a violência a que estes são submetidos, inerente à atividade itinerante dos circos, sendo privados de seus habitats de origem, condenados à falta de liberdade para o resto de suas vidas, treinamentos contínuos e forçosos por meio de espancamentos, mutilações e aplicação de choques elétricos, privação de alimento, confinamento com correntes e em jaulas minúsculas, etc., práticas estas totalmente contrárias à nossa Constituição Federal (art. 225, §1º, VII) e à Lei de Crimes Ambientais (Lei 9605/98, art. 32).

ESTA PRÁTICA MEDIEVAL DE EXPLORAÇÃO, que rebaixa seres sencientes a meros instrumentos, sujeitando-os à toda forma dano e violência, é inadimissível, eticamente injustificável e deve ser banida em favor da promoção da educação ambiental, dos direitos animais e da cultura que busque estabelecer uma tradição da não-violência e de respeito à vida e ao comportamento natural dos animais.

NESTE SENTIDO, MANIFESTAMO-NOS AOS SRS. DEPUTADOS FEDERAIS E SENADORES para que APROVEM NA ÍNTEGRA O SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI No 7.291, DE 2006 (ao qual foram apesandos mais de 10 projetos de lei da Camara dos Deputados, pela proibição de animais). Qualquer alteração no PL que abrande a proibição já prevista ou aumente os prazos estabelecidos para o fim do uso de animais não atendem aos interesses destes, tão pouco à nossa vontade.
*
Imagem: Chimpanzé do Circo de Moscou, publicada na Revista Superinteressante e encontrada no site... http://animaisdecirco.freeservers.com/photoalbum/AnimaisdeCircos/chimpa_moscow_JPG.html

quarta-feira, 16 de julho de 2008

CIRCO LEGAL NÃO TEM ANIMAL - Cadê a graça?

CAMPANHA: CIRCO LEGAL NÃO TEM ANIMAL
A Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados realiza no dia 10 de julho (foi transferida para Quinta-feira, dia 21 de agosto de 2008) audiência pública para discutir o Projeto de Lei 7.291/06, que proíbe a apresentação de animais em circos e põe fim a um dos mais deploráveis, brutais e sádicos espetáculos da Terra. Os bastidores das lonas encobrem um complexo de tortura cujo único objetivo é subjugar o animal pelo pavor e dor para que responda ao adestramento. Elefantes permanecem acorrentados o tempo inteiro e têm as patas necrozadas pelas correntes. Os grandes felinos são golpeados com barras de ferro e queimados na testa. Suas garras e presas são arrancadas. Ursos são obrigados a pisar sobre chapas incandescentes para forçá-los a ficar em pé e 'dançar' no picadeiro. Chimpanzés têm os dentes arrancados ou serrados. Quando doentes, velhos ou inválidos esses animais são sacrificados ou abandonados à beira das estradas. Há séculos malabaristas, trapezistas, mágicos, palhaços, equilibristas, bailarinas, engolidores de fogo, atiradores de facas, motociclistas do globo da morte fazem do circo uma manifestação artístico-cultural digna e bela. Não há sentido nem graça em torturar e mutilar animais para agregar um número extra. A exibição de animais em circos ensina a criança a rir da dignidade perdida dos animais. Impedir essa realidade é um ato de compaixão para com a vida. PRESSIONE OS DEPUTADOS DA CEC PARA QUE APROVEM O PROJETO DE LEI 7.291/06. CIRCO LEGAL NÃO TEM ANIMAL.
*
Colaboração: VIVI
Fonte: Militantes independentes do Estado no Espírito Santo da dignidade animal (
maninho.pacheco@uol.com.br)

terça-feira, 15 de julho de 2008

CONSUMO SUSTENTÁVEL - Papel Offset Reciclado

Parece que as coisas vão melhorando, ainda que devargazinho... Será mesmo?
Semanas atrás, o supermercado Pão de Açúcar vendia um tal de RECICLATO, fabricado pela Suzano e que se diz ser O PRIMEIRO PAPEL OFFSET 100% RECICLADO PRODUZIDO EM ESCALA INDUSTRIAL NO BRASIL a partir de aparas pré e pós-consumo. No site do frabricante, eles dizem que a constituição deste papel reciclado é: 75% de aparas pré-consumo e 25% de aparas pós-consumo.
consumo solidário
O CONSUMIDOR PODE AJUDAR ATUANDO MUITO MAIS
NAS DUAS PONTAS DO CONSUMO DO PAPEL
No entanto, 25% de papel pós-consumo ainda é pouco em relação aos 75% de papel pré-consumo. Em verdade, o consumidor pode ajudar muito mais nas duas pontas do consumo do papel A4 se...
1a ponta - Aumentar o volume do papel pós-consumo. Ou seja, separar para os catadores de papel apenas o papel reciclável, deixando para o lixo normal o papel não-reciclável.
2a ponta - Comprar mais papel reciclável do que os outros tipos de papel. E, para economizá-los, escrever, desenhar ou imprimir sempre nos dois lados.